segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Tempo.

Sabíamos que o tempo era curto. Era curto, apertado e pequeno diante de tanto desejo. Seus lábios me beijavam com pressa. Com pressa também suas mãos me tocaram e senti que estavam geladas. E suadas. Fazia frio naquela manhã, mas isso não impedia que suas mãos suassem. E era de nervoso. Encostada na parede eu tentava acompanhar seus movimentos com a mesma pressa. Eu sentia a sua respiração quente em meu rosto e seus odores que eu nunca havia sentido tão próximos. Via a sua pele com uma clareza nunca vista.

Na confusão do momento, mal sei como, espalhei seus papéis sobre a mesa; papéis e livros, tudo misturado. Assim como nós. Duas almas vagantes pelo espaço que se encontravam no curto espaço de um intervalo. Tão curto tão desejado.

Fazíamos silencio porque era necessário. Era necessário se recompor depois, rostos sérios perdidos na frieza congelante da academia. Apenas o som de nossa respiração ofegante enchia a sala.

Logo senti suas mãos abrindo minha calça. O que seria depois? Minha cabeça pouco entendia.


Um comentário:

Marcia Paula disse...

Gosto desse sentido de urgência e afastamento, no sentido de uma perda temporária da plena consciência, nas nuvens mesmo.Beijo.