sexta-feira, 14 de novembro de 2008

The first time lesbian sex

Poderia ter sido ma-ra-vi-lho-sa, se não tivesse sido um desastre minha primeira vez como lésbica. Mas eu juro que não vou abandonar essa vida assim, só porque a primeira experiência foi ruim. Não é que eu tenha escolhido a moça errada. Ela era bonita, inteligente e brincalhona. Também tinha um corpão e a junção do interior com o exterior formava um belo par. E como beijava bem. Cada vez que seus lábios chegavam aos meus traziam consigo um desejo tão grande que me deixava toda-toda. Mas quando começamos a tirar a roupa e eu me deparei com um par de belos seios, parei a primeira vez. Nunca havia visto um par de seios desta forma, assim, durinhos e empinadinhos para eu tocar. Compreende? Foi meio que um susto e me recobrei dele alguns segundos depois. Os toquei e beijei e senti como era bom. Ela com certeza era uma moça de experiência, mas não sei o que lhe aconteceu. Foi beijando minha barriga em direção as minhas pernas, voltou novamente para meu pescoço e, de repente, encaixou sua coxa no meio de minhas pernas. Continuava me beijando. E eu começava a pensar seriamente sobre a minha condição de lésbica iniciante. Tive vontade de perguntar o que estava havendo. Mas achei que não deveria. Ela remexia com força e vigor e eu começava, com um pouco de boa vontade, a sentir algo no meio de minhas pernas.

Eu tentava toca-la, mas sentia que sua fome era maior que a minha e minha participação não foi muito maior do que retribuir seus beijinhos. Eu não sei em o que ela fez, mas, tudo parou assim, de repente. Ela deitou-se do meu lado, beijou minha testa e ficou ali, calada. Deus, pensei, seria o momento perfeito para acender um cigarro e relaxar. Ao menos, se eu fumasse...

No dia seguinte ela me ligou. Perguntou se eu queria fazer algo com ela. Educadamente eu disse que não. Pensei que eu não suportaria outra experiência como aquela sem que eu mesma tivesse alguma experiência. Naquela noite sentei na frente do computador e me empenhei em encontrar um manual para lésbicas. O mais próximo que cheguei foram contos eróticos aparentemente escritos de mulheres para mulheres - lésbicas, obviamente. O chocolate foi meu fiel companheiro durante minhas horas de iniciação teórica à experiência lésbica.

Senhores, minha próxima experiência não seria ruim. Voilá! Faltava apenas conhecer quem seria a vítima das minhas experiências sexuais, na tentativa de me transformar em uma lésbica arrebatadora de mentes e corações.

4 comentários:

Bru disse...

Leia o meu manual Dra.Gô! rs

Marcia Paula disse...

Bom,eu fui passiva na primeira,assim como várias amigas minhas e minha atual namorada.Acho que todas ficamos em estado de choque.Ela queria muito me levar para a casa dela(me fez no meu quarto,detalhe:minha casa tava apinhada de gente e meu pai tava na churrasqueira perto da janela do meu quarto,ai que sufoco!).Bom,eu não fui por que ela era do tipo furiosa,me mordeu e eu fiquei puta da vida com ela.A segunda foi mais light,ficamos num hotel a tarde toda,aí eu fiz tudo com ela e a deusa Safo me deu suas bençãos.Beijos.

Dra. Gô disse...

Pois é Bru... naquela época teu manual era virtualmente inexistente... Acredita que as pessoas colocam isso mesmo no Google?? "Manual para lésbicas"??
Abraços da Dra.

Dra. Gô disse...

Pois é Marcia, o negócio é complicado... só tendo muita sintonia mesmo pra rolar aquela utópica primeira transa pefeita. E põe sintonia nisso! Valeu pela comentário!

Um abraço da Dra.